Top Menu

Curta e compartilhe para seus amigos no facebook

Os últimos lugares na Terra que os humanos nunca visitaram

Fotos de satélite, drones, destinos de viagem distantes - tudo isso contribui para reduzir o número de lugares na Terra onde a humanidade nunca pisou. Há, no entanto, um punhado de locais intocados, ou pelo menos quase intocados. Não seria uma boa ideia para eles continuar assim?

© Shutterstock
As profundezas das cavernas de Yucatán
As incríveis cavernas inexploradas do México foram criadas, como outras cavernas da Terra, quando a rocha desabou, revelando fontes subterrâneas de água limpa. Os turistas podem nadar na superfície, mas a rede subterrânea permanece praticamente inexplorada. As profundezas dessas cavernas são tão inacessíveis e perigosas que mesmo os espeleólogos mais experientes não ousam ir até lá para preservar o ambiente aquático. Essas profundezas são provavelmente uma boa razão pela qual os maias realizaram seus sacrifícios humanos nas proximidades.

© Pixabay
As florestas de Mianmar
Mianmar, um pequeno país do sudeste asiático situado entre China, Bangladesh, Índia, Tailândia e Laos, ainda guarda alguns mistérios. O Complexo Florestal do Norte, a mais de 5.000 metros (16.400 pés) acima do nível do mar, é um desses mistérios. A fauna encontrada lá - garças, veados e pandas vermelhos - raramente é perturbada, apenas ocasionalmente por expedições científicas. Esse refúgio natural está longe da atividade humana e ainda é considerado inexplorado, pelo menos por enquanto.

© Pixabay
Patagônia Norte
Estepes áridas, florestas tropicais, geleiras, fiordes - a Patagônia, que se estende da Argentina ao Chile, possui muitas paisagens de tirar o fôlego, mas o acesso é desafiador devido à sua “geografia cruel”. Por ser tão difícil de visitar, é um verdadeiro Jardim do Éden pela flora e fauna que florescem lá.

© Shutterstock
Deserto do Namibe
Significativamente menos conhecido que o seu homólogo do Saara, o deserto do Namibe, localizado no sul da Namíbia, está incluído na lista dos desertos mais desconhecidos e inexplorados do planeta. Alguns dizem que é o deserto mais antigo da Terra, com uma idade presumida de até 80 milhões de anos. Cobrindo quase 80.000 quilômetros quadrados (30.900 milhas quadradas), o deserto do Namibe se estende da África do Sul a Angola.

© AP Photo / USFWS, Jim Maragos / Imprensa canadense
Fossa das Marianas
Pegue o Monte Everest e solte-o nove quilômetros (seis milhas) sob o oceano e você ainda precisará nadar cerca de um quilômetro (3.300 pés) antes de chegar à superfície. Isso dá uma boa idéia da profundidade da Fossa das Marianas, perto de Guam, no sudoeste do Pacífico. É provavelmente a trincheira mais profunda da Terra e a localização menos explorada em todo o oceano, e por boas razões: a pressão é tão grande que esmagaria quase qualquer embarcação. Os seres humanos definitivamente não são bem-vindos. Por outro lado, o que podemos encontrar lá embaixo? #Godzilla

© Shutterstock
Parque Nacional Daintree
Este parque nacional de 1.200 km², localizado no norte de Queensland, na Austrália, abriga o ecossistema mais antigo do mundo, onde milhares de espécies de plantas e animais vivem em uma solidão feliz nesta parte desabitada da ilha. Esta floresta tropical tem mais de 110 milhões de anos.

© Wikipedia
A cimeira de Gangkhar Puensum
Este pico gigante com vista para o Butão e a China é o cume de quadragésimo mais alto da Terra, atingindo 7.500 metros acima do nível do mar. É também o pico mais alto do mundo que nunca foi escalado, apesar de várias tentativas fracassadas. Desde 2003, é proibido escalá-lo. O nome da montanha se traduz como Pico Branco dos Três Irmãos Espirituais.

© Wikipedia
Star Mountains
Essa cordilheira de difícil acesso, localizada na Papua Nova Guiné, é um dos lugares mais úmidos do planeta. Isso é compreensível, considerando que recebe cerca de 10.000 mm (390 pol.) De chuva a cada ano. E não, isso não é um erro de digitação - 10 metros (33 pés) de chuva caem como um dos elementos essenciais desse ecossistema relativamente isolado que abriga mais de 1.100 espécies, incluindo quase 100 que não existem em nenhum outro lugar.

© Pixabay
Gronelândia
A Groenlândia não é desprovida de atividade humana, mas quase. Sua população é de apenas 60.000, o que não é muito, considerando o território que mede 2 milhões de quilômetros quadrados (772.000 milhas quadradas). Isso equivale a 0,03 pessoas por quilômetro quadrado (0,08 por metro quadrado), tornando-o o 207º país mais populoso do mundo - muito longe de Macau, China, com suas 21.081 pessoas por quilômetro quadrado (54.600 por metro quadrado). mi). Três quartos da Groenlândia estão para sempre cobertos de gelo, medindo 3 km (1,9 milhas) de profundidade. O clima imprevisível torna praticamente inexplorado, ainda hoje.

© Shutterstock
Caverna Son Doong 
Dizer que esta caverna vietnamita é enorme seria um eufemismo maciço. Esta caverna, a maior do gênero na Terra, poderia conter um arranha-céu inteiro. Uma parede de calcita de 61 metros de altura (200 pés) bloqueia o acesso a uma rede de cavernas e túneis subterrâneos. Cerca de mil turistas podem se aventurar no meio de uma gritante quantia de US$ 3.000 cada, mas seus oito quilômetros (cinco milhas) de túneis e uma rede de cerca de 150 cavernas permanecem inexplorados. Lá dentro, tem um rio e até uma selva. As chuvas torrenciais o tornam praticamente inacessível de setembro a janeiro.

© Shutterstock
República de Sakha
Este território russo localizado no norte da Sibéria abriga cerca de um milhão de pessoas. Cerca de 20% dessa imensa república fica acima do Círculo Polar Ártico, o que explica suas temperaturas de -43 graus Celsius (-45 graus Fahrenheit) e muito mais baixas, além da presença de permafrost. Não é de admirar que grande parte da terra seja desprovida de atividade humana, pois seria quase impossível morar lá, mas isso não diminui sua beleza natural.

© Greenpeace
Lagos antárticos
A Antártica é um lugar incrível - é um continente que permanece relativamente inexplorado, menos alguns postos avançados científicos que estão lá há décadas. Mas há algo ainda menos explorado: seus lagos subglaciais, como o Lago Vostok, localizado a 3,7 km (2,3 milhas) abaixo da superfície, que não vê a luz do sol há 15 milhões de anos. Os humanos acham muito, muito difícil chegar a esses locais completamente inóspitos, onde, como se vê nesta foto do Greenpeace, a vida encontra um caminho. A possível contaminação das amostras obtidas durante as expedições pode manchar facilmente os resultados científicos. Esses lagos são realmente difíceis de acessar em todos os níveis.

© Twitter @ JulianBayliss1
Monte Lico
O cume do Monte Lico, no norte de Moçambique, apenas recentemente começou a revelar seus segredos. Foi uma grande surpresa encontrar uma floresta tropical que estava completamente escondida da humanidade, localizada a mais de 700 m (2.300 pés) acima do nível do mar. Mesmo apenas a flora única encontrada, será objeto de muitos estudos. Mas então surge a antiga questão: os cientistas deveriam tornar pública essa descoberta, que poderia atrair visitantes indesejados que poderiam destruir um ecossistema ainda desconhecido? Quanto tempo leva para que este local apareça em um folheto de viagem?

© Shutterstock
Península de Kamchatka
Quando você pensa em vulcões, pode pensar em Vesúvio, Krakatoa ou Eyjafjallajökull (gesundheit!), Mas na Península de Kamchatka, no extremo leste da Rússia, você pode encontrar alguns dos vulcões mais espetaculares da Terra. Mais de 300 vulcões pontilham a área, que também abriga várias espécies de salmão. O território também possui a maior densidade de ursos pardos do mundo. A península, que foi fechada aos ocidentais até 1991, permanece até hoje escassamente povoada e algumas partes ainda permanecem inexploradas. Hoje, cerca de 400.000 pessoas vivem nessa região do tamanho da Califórnia.

© Shutterstock
Reserva Natural Estrita de Tsingy de Bemaraha
Essa reserva natural "estrita" de quase 1.000 km² (390 milhas quadradas) localizada no lado oeste da ilha de Madagascar, na costa da África, usa bem o nome. Na língua malgaxe, tsingy significa "andar na ponta dos pés", que descreve adequadamente o que você gostaria de fazer em torno de seus desfiladeiros e cânions repletos de estruturas gigantes de calcário formadas por milhões de anos de erosão. Numerosas espécies de plantas e animais - muitas ainda não descobertas - só podem ser encontradas aqui. O acesso extremamente difícil e o status protegido da área, datado de 1927, a tornam inacessível.

© Legado
Monte Namuli
Aqui está outra cúpula em Moçambique que foi apenas parcialmente explorada por um punhado de pessoas. Atingindo 2,4 km (7.900 pés) acima do nível do mar, esse pico faz parte de uma cadeia de montanhas que se desenvolveu como “ilhas isoladas”, tornando-se o lar de diferentes espécies. Quase 70 anos se passaram entre as expedições de 1932 e 1998 por causa da guerra civil e seu acesso desafiador. Hoje, o Monte Namuli permanece principalmente intocado pela humanidade.

© Wikipedia
O Rub 'al-Khali
Considerado “o maior mar de areia do mundo”, cobrindo uma área de cerca de 650.000 km2, este deserto, traduzido do árabe como “quarto vazio”, chega à Arábia Saudita, Omã, Emirados Árabes Unidos e Iêmen. Os únicos sinais de vida no horizonte distante são escorpiões, alguns pássaros aventureiros e algumas carcaças de mamíferos do deserto. A temperatura pode chegar a 40 ° C (104 ° F) na sombra (tente encontrar algumas), tornando a área completamente inóspita. Em 1930, Bertram Thomas se tornou o primeiro ocidental a atravessar o deserto inteiro em 59 dias. A maior parte desta terra do deserto nunca foi visitada por humanos - ou pelo menos nenhuma voltou para contar sua história.

© Shutterstock
Monte Roraima
As encostas íngremes deste pico e a dificuldade de obter as permissões necessárias fazem de Roraima uma montanha inexplorada. Não é fácil chegar lá quando, além dos desafios logísticos, obter a aprovação dos três países que a cercam - Venezuela, Brasil e Guiana - não é tarefa fácil. Esses fatores fazem com que apenas a fauna local desfrute da vista deslumbrante do cume.

© Shutterstock
As profundezas do oceano
A comunidade científica sabe mais sobre a Lua, Marte e outros corpos celestes do que sobre o fundo de nossos próprios oceanos, e por boas razões. É mais fácil chegar à estação espacial internacional, orbitando 400 km (250 milhas) acima de nossas cabeças, do que chegar ao fundo do Atlântico, que tem cerca de 3,6 km (2,2 milhas) de profundidade. A maioria dos submarinos é incapaz de suportar a pressão, o que torna a exploração muito cara, arriscada e rara.

© Google Earth
Sandy Island
Esta pequena ilha ao largo da costa da Nova Caledônia, no Pacífico Sul, descoberta em 1774 pelo capitão Cook, foi mapeada pela primeira vez perto do final do século XIX. Nenhum humano jamais pôs os pés nele e ninguém jamais o fará. Por quê? Porque simplesmente não existe. Sua inclusão em mapas antigos foi explicada por um erro cartográfico que foi rapidamente descoberto. Foi apagado da maioria das cartas hidrográficas oficiais durante a década de 1970, mas não todas. Até o Google Earth foi enganado e teve que remover a ilha de seu mapa em 2012, depois que o RV Southern Surveyor, um navio de pesquisa australiano, passou e confirmou sua inexistência. Pelo menos agora o assunto foi resolvido de uma vez por todas.

Fonte: msn

Postar um comentário

Recomende e compartilhe para seus amigos no facebook

Navegue pela Data e encontre as Matérias em Ordem Cronológica

©Copyright 2015-2019 Panorama eco. Todos os Direitos Reservados. © Panorama Eco. Contatos: contato@mundoms.com OddThemes VineThemes Powered By: mundoms.com