Abril 2020

Arco-íris de fogo em WashingtonImagem: Reprodução / Instagram

A fotógrafa norte-americana Cessna Kutz conseguiu capturar a imagem de um arco-íris de fogo sobre o Lago Sammamish, em Washington, nos Estados Unidos.

No Instagram, ela escreveu: "Testemunhei um fenômeno bem legal hoje: um arco-íris horizontal! Para mim, foi um pequeno lembrete de ter esperança e amor, em vez de medo e pânico nestes tempos incertos. Fiquem seguros, amigos".

Apesar do nome, os chamados arco-íris de fogo não precisam do elemento fogo para acontecer. Tecnicamente conhecidos como arco circum-horizontal, eles se formam quando o sol está acima de 58º no céu. São halos formados por cristais de gelo em nuvens do tipo cirrus, que são finas e só se formam em altitudes mais altas. Quando alinhados de maneira ideal, os cristais agem como um prisma, resultando em uma refração que lembra a de um arco-íris.

Não é correto dizer que a existência destes halos é rara. No entanto, a frequência deles depende da latitude de cada lugar. Nos Estados Unidos, por exemplo, é comum vê-los no verão. Já no norte da Europa, é mais difícil presenciar o fenômeno.

Mais Informações em: cessnakutz

Uma operadora de turismo independente e familiar (
The Latin America Travel Company), com sede em Londres, especializada em viagens de luxo para a América Latina resolve criar uma série de fotos mostrando os efeitos prejudiciais que as mudanças climáticas terão em alguns dos pontos turísticos mais amados do mundo, e o resultado desta simulação é de assustar, O que reforça ainda mais a importância da preocupação de cada um de nós em deixar um planeta melhor para nossos descendentes. 

Confira nas imagens a seguir o resultado da simulação.

Estátua da Liberdade, Nova York - Agora
A visão que todos associamos aos EUA. Assim os visitantes de Nova York vêm a Estátua da Liberdade.

Estátua da Liberdade, Nova York - Futuro
O aumento do nível da água engolfará cidades ao redor do mundo, deixando a Estátua da Liberdade de 93m quase invisível acima da água.

Grande Barreira de Corais, Austrália - Agora
A bela Grande Barreira de Corais é uma variedade mágica de vida e cor, Os mergulhadores que visitam a Austrália adoram explorar.

Grande Barreira de Corais, Austrália - Futuro
Temperaturas mais quentes, poluição dos oceanos e branqueamento de corais matarão toda a vibrante vida marinha que ilumina a barreira de corais.

Floresta Amazônica, Brasil - Agora
Um dos lugares mais emblemáticos do mundo, as pessoas viajam para o Brasil para se maravilhar com a beleza da Floresta Amazônica.

Floresta Amazônica, Brasil - Futuro
O desmatamento já é uma enorme ameaça para esta paisagem natural e, eventualmente, deixará a área vazia - matando toda a vida selvagem que vive lá.

Antártica - Agora
Um pouco mística, assim a Antártica é conhecida, como uma bela paisagem branca que todos sonhamos em explorar.

Antártica - Futuro
O aumento da temperatura fará com que o gelo derreta, deixando uma paisagem nua por baixo. O aumento do nível do mar poderia apagar o país, deixando os animais que vagam por aqui sem meios de sobrevivência.

Parthenon, Grécia - Agora
Um dos lugares mais emblemáticos do mundo, o Parthenon ainda permanece após milhares de anos.

Parthenon, Grécia - Futuro
As emissões de carbono, o turismo frequente e a chuva ácida farão com que essa estrutura antiga desmorone.

Veneza, Itália - Agora
Um dos lugares mais românticos de toda a Itália, os casais sonham com o charme de Veneza.

Veneza, Itália - Futuro
A cidade está em alto risco devido ao turismo frequente, que já está causando danos e, à medida que o nível do mar continuar subindo, a cidade do canal poderá acabar totalmente debaixo d'água.

Três Irmãs, Austrália - Agora
Three Sisters é uma das principais atrações turísticas da Austrália, com belas formações rochosas naturais e vistas incríveis.

Três Irmãs, Austrália - Futuro
O aumento da temperatura e os incêndios florestais devastarão a paisagem, deixando paisagens queimadas e apagando toda a vegetação.

Geleira Pastoruri, Peru - Agora
Uma das geleiras mais famosas do mundo, os turistas no Peru se maravilham com a beleza da estrutura de gelo.

Geleira Pastoruri, Peru - Futuro
Nossas geleiras já estão derretendo e, no futuro, devem ser apenas rocha.

Stonehenge, Reino Unido - Agora
Um dos marcos mais misteriosos do mundo, Stonehenge está no topo da lista de muitos viajantes.

Stonehenge, Reino Unido - Futuro
O incrível marco pode ser destruído por toupeiras, causando erosão do solo no solo abaixo. A população de toupeiras aumentará devido ao aumento das temperaturas.

Mumbai, Índia - Agora
Uma das cidades mais populares da Índia para visitar, Mumbai, rica em cultura, está cheia de pontos de referência interessantes para explorar.

Mumbai, Índia - Futuro
A superpopulação em Mumbai levará à superlotação e a más condições de vida, pois todo o espaço livre será utilizado para moradias de baixa qualidade.

Cataratas Vitória, Zâmbia - Agora
Uma das vistas mais espetaculares do mundo, as Cataratas Vitória são um local para se ver e se encantar.

Cataratas Vitória, Zâmbia - Futuro
2019 nos deu uma visão assustadora do futuro das Cataratas Vitória e, à medida que as temperaturas continuam a subir, as secas podem fazer com que as Cataratas sequem para sempre.


Novidade foi feita com a ajuda de satélites que analisam o campo gravitacional do planeta

Uma parceria entre a Nasa e pesquisadores da University of Nebraska-Lincoln, nos EUA, desenvolveu o primeiro mapa global mostrando a quantidade de água em várias camadas do subsolo de nosso planeta. A agência espera que o mapa seja útil para monitorar o suprimento global de água à medida que nosso planeta aquece cada vez mais.

Os mapas foram criados com base em dados obtidos pelos satélites “Gravity Recovery and Climate Experiment Follow On” (GRACE-FO), lançados no ano passado. Eles analisam o campo gravitacional da Terra e são capazes de detectar variações causadas pela movimentação de gelo e água no solo.


Os dados do GRACE-FO são combinados a modelos computacionais para gerar mapas que mostram a disponibilidade de água ao longo do tempo em três níveis: na superfície, na região das raízes das plantas (cerca de 1 metro de profundidade) e no subsolo. Esta informação pode ajudar a prevenir desastres como grandes secas causadas pelo esgotamento de aquíferos subterrâneos, ou enchentes devido à saturação do solo.

Além da quantidade atual de água no solo, os dados podem ser correlacionados a observações passadas e outras fontes de informação para criar previsões da quantidade de água no solo nos próximos um a três meses.

“As secas são geralmente bem conhecidas quando ocorrem em países desenvolvidos. Mas quando há uma seca na África Central, por exemplo, isso pode não ser percebido até causar uma crise humanitária. Por isso, é valioso ter um produto como este, onde as pessoas possam dizer: Ei, está realmente seco lá e ninguém está percebendo", disse Matt Rodell, hidrólogo do Goddard Space Flight Center da Nasa.

Fonte: New Atlas

MKRdezign

Fale com o Panorama Eco

Nome

E-mail *

Mensagem *

Imagens de tema por Nikada. Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget