05/10/17

© image/jpeg glaciar-rio

Geralmente, são necessários milhões de anos para um rio desaparecer ou reverter seu curso natural. Mas para o rio Slims, no Canadá, quatro dias foram suficientes.

Em artigo publicado nesta semana na revista Nature Geoscience, cientistas descrevem o sumiço repentino do rio, em maio do ano passado, como o primeiro caso conhecido de “pirataria fluvial” nos tempos modernos por influência das mudanças climáticas, o que levanta preocupações.

A pirataria de rios, também chamada de captura fluvial (do inglês “river capture” ou “stream piracy”), corresponde ao desvio natural das águas de uma bacia hidrográfica para outra, processo que promove a expansão de uma drenagem em detrimento da vizinha.

Segundo os pesquisadores, as altas temperaturas registradas na primavera passada contribuíram para um derretimento abrupto do glaciar Kaskawulsh, que alimenta o rio Slims, fenômeno que acabou gerando um novo canal de drenagem da água.

Ao invés de fluir para o norte e alimentar o rio Slims (que se une ao rio Yukón e desemboca no mar de Bering), a água do degelo foi desviada para o sul, rumo ao rio Alsek, que deságua no oceano Pacífico, um fenômeno geológico que normalmente levaria milhões de anos para acontecer.

Anteriormente, os dois rios tinham quase o mesmo tamanho. Mas, agora, o rio Alsek — popular pela prática de rafting e considerado um Patrimônio Mundial da Unesco — está maior do que o rio Slims.

“Podemos nos surpreender com o que a mudança climática nos reserva e alguns dos efeitos podem ser muito mais rápidos do que esperamos”, disse o principal autor do estudo, Daniel Shugar, da Universidade de Washington, ao jornal The New York Times.

Mudança abrupta

Segundo Shugar, até agora, muito do trabalho científico que envolve as geleiras e as mudanças climáticas tem se concentrado no aumento do nível do mar, porém o novo estudo mostra que pode haver outros efeitos subestimados e imprevistos. 

A alteração do padrão de drenagem de um rio reserva ameaças preocupantes. O caso do rio canadense ocorreu em área selvagem relativamente pouco povoada e, portanto, sem grande impacto nas populações humanas.

Porém, o sumiço do rio teve um impacto dramático sobre o ecossistema, redistribuindo as populações de peixes, alterando a química dos lagos próximos e assolando a região com uma série de novas tempestades de areia.

No contexto global, outros rios alimentados por glaciares, que fornecem energia hidrelétrica e abastecimento de água a regiões mais povoadas, também poderiam estar em risco.

“Este não será o último [evento], avisou Lonnie Thompson, paleoclimatologista da Universidade Estadual de Ohio, em entrevista ao The Guardian. “Incidentes semelhantes podem acontecer nos Himalaias, nas montanhas dos Andes da América do Sul, ou outras partes do Alasca e Canadá, a medida que a mudança climática se acelera”.

vanessabarbosaabrilcombr

© Fornecido por AFP Um raro molusco (Kuphus Polythalamia) que se parece com um verme negro gigante e vive na lama do fundo do mar foi encontrado pela primeira vez por cientistas nas Filipinas

Um raro molusco que se parece com um verme negro gigante e vive na lama do fundo do mar foi encontrado pela primeira vez por cientistas nas Filipinas.

A espécie, conhecida como teredo-gigante e cujo nome científico é Kuphus Polythalamia, é um molusco bivalve vermiforme que possui uma concha em forma de tubo.

O animal pode medir até 155 centímetros de comprimento e leva uma vida sedentária em sedimentos oceânicos, alimentando-se de resíduos produzidos por micro-organismos que vivem em suas brânquias.

"Estamos surpresos. Esta é a primeira vez que vemos uma espécie da família Teredo tão grande como esta. Normalmente, esses animais têm o tamanho de um palito de fósforo e são brancos", disse à AFP a bióloga marinha filipina Julie Albano.

O teredo-gigante é radicalmente diferente das outras espécies da mesma família, como o Teredo navalis, que se alimentam de madeira em decomposição.

Os pesquisadores que analisaram a criatura rara descobriram que, apesar de ter um sistema digestivo próprio, este é atrofiado, e a espécie depende de bactérias que vivem em suas brânquias para sobreviver.

Esses micro-organismo digerem o sulfeto de hidrogênio - um gás que cheira a ovos podres - da lama e emitem o carbono orgânico que serve de alimento para o molusco.

"Nós suspeitávamos que o teredo-gigante, uma espécie que nunca havia sido estudada, era completamente diferente de outros teredos que comem madeira. O fato de encontrar o animal confirmou isso", disse Margo Haygood, professora da Universidade de Utah que participou do estudo.

Apesar da existência desse molusco ter sido documentada no século XVIII e do acesso às suas conchas ser comum, esta foi a primeira vez que os cientistas encontraram e estudaram um exemplar vivo, confirmou um artigo publicado nesta semana na revista americana Proceedings of the National Academy of Sciences (Pnas).

"Esta espécie extraordinária ainda precisa ser descrita e explicada de maneira exaustiva", afirma o estudo.

Os exemplares estudados foram descobertos em uma lagoa nas Filipinas, na cidade costeira de Kalamansing, situada na província de Sultan Kudarat, e suas bactérias estão sendo estudadas para possíveis usos farmacêuticos, afirma Albano.

Embora esse animal de aparência estranha seja novo para os cientistas marinhos internacionais, eles são conhecidos pela população local há anos.

"O teredo é comestível, tem gosto de polvo", afirma a bióloga marinha. "Os habitantes locais o comem e o utilizam como um afrodisíaco".

AFP

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Imagens de tema por Nikada. Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget