Janeiro 2018

Capitólio, em Minas Gerais, é um lugar mágico. Vai muito além do que as fotos maravilhosas que vemos constantemente sendo compartilhadas na internet.

© Foto: Roadtrio Capitólio, em Minas Gerais

O local virou um destino queridinho há pouco tempo mas, ao contrário do que dizem, tem paraísos preservados, bem cuidados, longe da sujeira e da agitação.

O Lago de Furnas, também conhecido como “Mar de Minas”, é imponente, bonito e gigante. Ele é um dos maiores lagos artificiais do mundo, com 1440 km quadrados – equivalente a quatro vezes a Baía de Guanabara -, e abrange 34 municípios.

As águas dos poços de Capitólio são, na maioria, douradas e com pedras no fundo. Prepare-se para fazer uma verdadeira imersão à natureza e curtir cachoeiras, cânions, mergulhos e trilhas.

Não é à toa que a cidade é chamada de “Rainha dos Lagos”, por sua localização privilegiada, a grande quantidade de cachoeiras, piscinas naturais e uma praia artificial construída no perímetro urbano. 

© Foto: RoadTrio 
O município fica localizado a 230 km de Belo Horizonte, sendo aproximadamente 3 horas, 3 horas e meia de carro saindo de lá. De São Paulo, a viagem dura aproximadamente 5h45, 445 km.

O RoadTrio visitou a cidade em 2017 e fez um roteiro completo com todas as informações sobre o local

Veja imagens que vão te fazer querer ir para Capitólio agora:
© Foto: RoadTrio 

© Foto: RoadTrio 

© Foto: RoadTrio 

© Foto: RoadTrio

© Foto: RoadTrio 

© Foto: RoadTrio 

© Foto: RoadTrio 

© Foto: RoadTrio 

© Foto: RoadTrio 

© Foto: RoadTrio
© Foto: RoadTrio 

© Foto: RoadTrio 

© Foto: RoadTrio

© Foto: RoadTrio

© Foto: RoadTrio

© Foto: RoadTrio 

© Foto: RoadTrio

© Foto: RoadTrio

© Foto: RoadTrio

© Foto: RoadTrio 

© Foto: RoadTrio

© Foto: RoadTrio

© Foto: RoadTrio

© Foto: RoadTrio

© Foto: RoadTrio

© Foto: RoadTrio

© Foto: RoadTrio

© Foto: RoadTrio


Uma família muito especial chamou a atenção de moradores da Praça de Casa Forte (Recife-PE), Residindo com a mãe no alto de uma frondosa abricó-de-macaco, filhotes de gambás começaram a se desgarrar, caindo no chão, devido ao ataque de abelhas. Dois ainda tentaram subir na árvore, mas caíram outra vez, por conta dos insetos. Resultado: os quatro bebês terminaram sendo recolhidos pela Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH). E foram enviados para o Centro de Triagem de Animais Silvestres do órgão (Cetas Tangara).

Letícia Lins, Atacados por abelhas, quatro filhotes de timbu (ou gambá) despencaram de árvore na Praça de Casa Forte, e foram resgatados pela CPRH.


Muitas pessoas confundem o gambá com rato. Nada mais errado. O gambá também é conhecido como timbu, gambá-da-orelha-branca e cassaco. Ao contrário do roedor que transmite tantas doenças graves (inclusive a leptospirose), o gambá é um marsupial e é, portanto, primo distante do canguru. E tem função importante na natureza, segundo lembra o biólogo Eduardo Vasconcelos, da CPRH. “O timbu é importante na restauração das matas, porque se alimenta de frutos e dissemina sementes não só nas fezes, como as que foram despolpadas”, diz. Com isso, as plantas germinam, e a vegetação se recompõe.

Ele lembra que recebe diariamente telefonemas de pessoas reclamando da invasão de timbus aos seus quintais. E recomenda que não mate o animal, pois ele vai embora. “O timbu é um animal sinatrópico, pois se adaptou à vida da cidade, e aprendeu a conviver com o ambiente urbano”, lembra. Dia desses, eu caminhava pela Estrada das Ubaias, quando um timbu andava ao meu lado. Sei que o bicho de rato não tem nada. O gambá come frutas como mangas, jambos, sapotis. Mas é onívoro, e, portanto, se alimenta, também, de bichinhos menores. Na cidade, aprendeu a mexer até no lixo, em busca de comida. Por esse motivo, chega a ser confundido com os ratos. É bravo, quando se sente ameaçado, iça os pelos, abre a boca e faz um barulho, para intimidar o agressor.

"A timbu-mãe se mostrava aflita do alto do abricó, mas não teve coragem de enfrentar os curiosos, para pegar os filhotes."


Em Casa Forte, o CPRH inicialmente ia deixar a família no chão, para que a mãe os recolhesse. Mas devido ao ajuntamento de curiosos, o biólogo achou mais prudente levar os animais para o Cetas, reintroduzi-los posteriormente à natureza. Muita gente parava para fotografar os bichinhos, que tinham tamanhos diferentes. Segundo o biólogo, isso é comum na espécie. As fêmeas têm gestações de até dez filhotes, pois têm o útero bifurcado. Diferente dos outros mamíferos, os marsupiais são liberados do útero antes do feto estar inteiramente maduro, e terminam o crescimento na bolsa da mãe. “Elas nascem no início do estágio embrionário, e migram para a bolsa, período em que começam a mamar”. Explica que quando viram bebês, são transportados nas costas da mãe. Hoje a genitora olhava os filhotes caídos no chão, do alto da árvore. Mas não vinha buscá-los devido ao movimento em torno dos bichinhos. Temendo maus tratos, o biólogo da CPRH achou mais prudente resgatar a prole do “acidente”.

Veja mais fotos desses bichinhos simpáticos:














(Texto e foto do topo: Letícia Lins)
Fonte da matéria: #OXERECIFE

Fundador de ONG que divulgou vídeo diz que animal tem focinho espetado 'centenas de vezes por dia' para rugir em fotos e que turistas sentam em cima dele. Zoológico diz que encarregado foi transferido para outro setor.

Imagem retirada de vídeo e divulgada por Edwin Wiek, fundador da Wildlife Friends Foundation Thailand, em 21 de dezembro, mostra tratador agredindo tigre durante sessão de fotos com turista (Foto: Edwin Wiek/Wildlife Friends Foundation Thailand/AFP)

O vídeo em que se vê um homem espetar com uma vara o focinho de um tigre para obrigá-lo a rugir enquanto os turistas tiram 'selfies' ao seu lado gerou indignação na Tailândia.

Desde que foi publicado na internet, na segunda-feira (18), o vídeo foi reproduzido mais de um milhão de vezes.

"Este tigre é espetado todos os dias, centenas de vezes, para que ruja para a foto com os turistas", escreve Edwin Wiek, fundador da ONG Fundação Amigos da Natureza da Tailândia, que postou o vídeo no Facebook.

Imagem retirada de vídeo e divulgada por Edwin Wiek, fundador da Wildlife Friends Foundation Thailand, em 21 de dezembro, mostra tratador agredindo tigre durante sessão de fotos com turista (Foto: Edwin Wiek/Wildlife Friends Foundation Thailand/AFP)

Os turistas não hesitam em se sentar em cima do animal, que está acorrentado, ou em se aproximar muito dele para a foto. Nesse momento, um funcionário pressiona a vara na face do tigre, que mostra as presas.

Um porta-voz do zoológico The Million Years Stone Park e Pattaya Crocodile Farm declarou à AFP que a pessoa encarregada do tigre foi transferida a outro posto devido ao incidente.

As associações de defesa dos animais costumam acusar o país de explorar elefantes, macacos e tigres para o turismo.

Por France Presse

Felinos nasceram em 26 de novembro, mas só foram anunciados agora.

Uma chita do zoolíogico de St. Louis, no estado americano do Missouri, teve uma rara ninhada com 8 filhotes.

A felina Bingwa teve os filhotes em 26 de novembro, mas o nascimento só foi anunciado na quarta-feira (3).

Os responsáveis do zoológico afirmaram que geralmente as ninhadas de chita têm 3 ou 4 felinos.

A chita Bingwa e seus filhotes (Foto: Carolyn Kelly/St. Louis Zoo via AP)

Fonte: G1

MKRdezign

Fale com o Panorama Eco

Nome

E-mail *

Mensagem *

Imagens de tema por Nikada. Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget