Março 2019

No início deste ano, noticiamos a mortandade de abelhas no sul do Brasil por causa de agrotóxicos usados em plantações de soja. No Rio Grande do Sul, cerca de 80% das abelhas morrem por causa do agrotóxico fipronil, que é utilizado na lavoura da soja. O problema é ainda muito mais grave e extenso, pois vem ocorrendo em outros estados do país.

Segundo a Agência Pública e o Repórter Brasil, cerca de 500 milhões de abelhas morreram, nos últimos três meses, em quatro estados brasileiros: 400 milhões no Rio Grande do Sul, 7 milhões em São Paulo, 50 milhões em Santa Catarina e 45 milhões em Mato Grosso do Sul.

Essa é a estimativa de associações de apicultura, secretarias de Agricultura e pesquisas realizadas por universidades. A causa do extermínio, de acordo com especialistas, é o contato da espécie com agrotóxicos à base de neonicotinoides e de Fipronil, que já está proibido na Europa há mais de uma década. Os ingredientes contidos nesses agrotóxicos são letais para os insetos quando pulverizados, já que se espalham para além da área atingida.

O Fipronil é um inseticida que atua nas células nervosas dos insetos. Quando aplicado em pulverização aérea, as abelhas ficam diretamente expostas a ele. Uma pesquisa da Embrapa, feita em 2004, constatou que o método dispersa 19% do agrotóxico pulverizado para áreas fora da região de aplicação.

Já os agrotóxicos neonicotinoides têm a capacidade de se espalhar por todas as partes da planta. São usados em diferentes culturas: algodão, milho, soja, arroz e batata. 

Polinização e agricultura
Como se sabe, as abelhas são polinizadores da maior parte dos ecossistemas do planeta. São elas as responsáveis por promover a reprodução de várias espécies de plantas. Só no Brasil, 60% das 141 espécies de plantas cultivadas para a alimentação humana e a produção animal dependem em alguma medida da polinização das abelhas. Em escala mundial, esse percentual sobre para 75%, segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

O apicultor Salvador Gonçalves, presidente dos Apicultores de Cruz Alta (Apicruz), município do Rio Grande do Sul, os venenos pulverizados por aviões pela manhã fazem com que as abelhas apareçam mortas já pela tarde. Aproximadamente,100 milhões de abelhas foram encontradas mortas em Cruz Alta somente no último trimestre. Isso fez com que todo o mel produzido pelos insetos fosse jogado fora pelos apicultores por medo de o produto estar contaminado com os venenos.

E se as abelhas desaparecerem?
Isso seria um caos planetário. A pesquisadora da Embrapa e doutora em Ecologia de Insetos Carmem Pires explica que deixaríamos de consumir várias frutas ou elas ficariam muito caras, já que o trabalho de polinização feito pelas abelhas teria de ser feito manualmente por seres humanos.

O trabalho de polinização das abelhas também afeta, indiretamente, outras culturas, como a da soja.

“Na de soja, por exemplo, é identificado um aumento em 18% da produção. É importante destacar também o efeito em cadeia. As plantas precisam das abelhas para formar suas sementes e frutos, que são alimento de diversas aves, que por sua vez são a dieta alimentar de outros animais. A morte de abelhas afeta toda a cadeia alimentar”, esclarece a pesquisadora. 

Os papéis das abelhas em uma colmeia são muito bem delimitados. A morte desses polinizadores via contato com agrotóxicos pode ocorrer de várias maneiras. A mais comum é quando a abelha operária sai para a polinização. Algumas acabam morrendo imediatamente, enquanto outras ficam desorientadas e infectadas. As sobreviventes tentam regressar à colmeia mas tanto podem morrer no caminho, como infectar toda a colmeia, quando conseguem regressar. O resultado é que todo o enxame morre em apenas um dia.

E agora?
Com esse evidente extermínio de abelhas no país, as associações de apicultores começaram a se organizar. No Rio Grande do Sul, por exemplo, o engenheiro agrônomo Aroni Sattler emitiu 30 laudos para apicultores do estado comprovando o contato dos insetos com pesticidas. De posse do laudo, eles podem recorrer à Justiça para serem ressarcidos de seus prejuízos.

Entretanto, o agrônomo ressalta que as abelhas nativas silvestres são as que mais correm mais risco de mortandade, pois não há registro de que quantas estão morrendo.

“O impacto do uso desses agrotóxicos atinge um raio de 3 a 5 quilômetros das lavouras. Tudo no entorno desaparece”, comenta. 

Outro problema destacado por Sattler é a falta de informação sobre a aplicação dos agrotóxicos:

“Há casos de mortandade que acontecem porque os agricultores utilizam o agrotóxico de modo errado, ou até mesmo, por falta de conhecimento, eles acham que a abelha prejudica a lavoura e passam veneno”

Como denunciar?
As denúncias sobre mortes de abelhas devem ser reportadas às defensorias agrícolas ligadas às secretarias estaduais ou municipais. Aconselha-se, também, aos apicultores informar a Polícia Militar Ambiental e fazer um boletim de ocorrência na Polícia Civil.

No Rio Grande do Sul, há dois anos havia apenas duas denúncias registradas, embora houvesse muitos mais casos de abelhas mortas. É preciso tornar a denúncia oficial para governos e para a sociedade. A Lei Federal 7.802/89 (a Lei dos Agrotóxicos) prevê que a fiscalização do uso dos agrotóxicos é de competência dos órgãos estaduais. Entretanto, problemas provocados pelo uso desses químicos devem ser informados às secretarias de Meio Ambiente ou de Agricultura dos estados.

Embora exista base legal para considerar como crime ambiental a morte de abelhas, o Ibama diz que é muito difícil comprová-lo.

“Quando isso fica comprovado – uso onde não devia, na quantidade que não devia, na época que não devia, usando equipamento que não devia e causando a mortalidade – aí se enquadra no artigo e se trata de crime ambiental”, informa o Instituto, através da assessoria de imprensa.

por Gisella Meneguelli
Via: Greenme

Julian Rad, fotógrafo de vida selvagem da Áustria, mostra as fotos de esquilos, hamsters e raposas mais adoráveis ​​da vida selvagem que você provavelmente já viu. 

Recentemente nos deparamos com seu trabalho no Instagram e imediatamente nos apaixonamos por suas imagens adoráveis ​​e engraçadas. Em 2015, ele ganhou o renomado Comedy Wildlife Photography Award com sua imagem de um hamster em execução, intitulado "Hora do Rush".

Sempre observamos os grandes acontecimentos da natureza mas ignoramos a vida cotidiana e as lutas dos pequenos animais com quem compartilhamos nosso ambiente. Especialmente com animais tão rápidos e ariscos quanto um roedor, capturar o momento certo com um assunto selvagem não é tarefa fácil - mas Julian fez isso com maestria.

Um esquilo que gosta de cheirar uma flor, um hamster subindo em um galho de amora ou um esquilo vermelho tentando alcançar uma noz - cada uma de suas imagens conta uma história e evoca emoções. Os fotógrafos de vida selvagem fascinam por sua paciência e parece que Julian não se importaria de esperar milhares de horas para conseguir a foto perfeita.

Apenas ... Um pouco ... Mais ... Mais perto
Possivelmente uma reencarnação de Scrat, o esquilo dente de sabre da Idade do Gelo, em sua última busca pela bolota, e por bolota, na verdade, queremos dizer essa noz. Além disso - marcante em uma pose de ioga majestosa.

Raposa feliz
De repente, aparece uma raposa selvagem que parece estar compartilhando uma piada pessoal consigo mesma. Não sabemos ao certo por que o rosto sorridente, mas é muito contagiante.

Sentimentos de verão..
Perdido em meditação, este esquilo parece estar fazendo um desejo em uma flor - "Oh, por favor, por favor, por favor, deixe meus dias ficarem cheios de nozes e bolotas!"

Hamster Europeu
Um desejo em um dente de leão. Nós não sabemos que tipo de desejo este hamster está prestes a fazer, mas esperamos que até mesmo seus menores sonhos se tornem realidade.

"Ohh .. quem é você?"
O esquilo observa curioso o boneco de neve e no fundo deve saber que não é obra da mãe natureza

Diga queeeeijo
Notícias de Última Hora! Uma raposa pega outra raposa na câmera, e parece que a última tem muito a dizer. Nós nos perguntamos se esse encontro foi coincidência, ou talvez um encontro secreto planejado o tempo todo?

Hora do rush
Este predador rápido e furioso não só parece que acabou de escapar da prisão, ele também ganhou o concurso de Funny Wildlife Pictures 2015. Nós especulamos que foi devido ao conteúdo de suas bochechas, que permanece um mistério até hoje.

Esquilo vermelho
Esta pose certamente é boa para as suas costas! Tudo que você precisa fazer é encontrar uma floresta local, encontrar um galho de musgo e deixar que esses sentimentos ruins escapem de você.

"Posso tocar em você?"
"Bolotas sagradas! Esta cauda de penugem, a pele e o botão de olhos negros ... verdadeiramente, uma encarnação de perfeição! Onde você esteve toda a minha vida?"

Raposa vermelha
"Você acha que a neve vai trazer a cor da minha pele?"

Ooh
Dizem que as nozes são muito boas para os cérebros, e aqui um sujeito parece que foi atingido pelo maior momento da EUREKA na história dos roedores.

Um punhado de flores
Apenas um esquilo de passagem amigável de uma floresta vizinha. Ele parece ser pego em um passeio casual coletando flores para completar um buquê.

Acrobata
Nós todos sabemos que as acrobacias vêm com um certo risco. No entanto, acreditamos que desta vez o risco vale a pena as deliciosas framboesas que ele está prestes a pegar!

O Esquilo e a Tulipa
Nada é melhor do que um momento tranquilo na vida quando você realmente para e cheira flores. E por que não fazer uma pose majestosa enquanto faz isso?

Esquilo aprecia o verão

Com sede
Depois de uma sessão intensiva de ensino de esquilo Yoga para toda a população da floresta, uma boa hidratação é uma obrigação! Mesmo que seja apenas um punhado de minúsculas gotículas.

Kung Fu Esquilos
Esses companheiros certamente conhecem alguns movimentos legais do Kung Fu! Eu me pergunto o que poderia ter causado a luta entre os dois?

Raposa feliz

Tire um tempo para cheirar as flores

Bochechas Cheias
Há rumores, há todo um universo paralelo que existe dentro das bochechas deste hamster. É um universo onde só existem bolotas, nozes e pedaços de grama seca.

Esquilos
Você quer apostar se ele vai compartilhar seu precioso tesouro com seu amigo?

"Ei, Sr. Boneco de Neve, Posso Comer Sua Cabeça?"

Isso é um passaro? É um avião? Não, é um esquilo !!
E aqui vem super-esquilo para mais uma vez salvar o dia!

Guloso

Esquilo vermelho

Esquilo Sedento
Todo mundo fica com sede em um dia quente de verão e essa coisinha bonitinha pensou em uma boa maneira de saciar sua sede!

Outono tem as cores mais bonitas ... Você concorda?

O Hamster e a papoula

Esquilo vermelho

Reflexões

Mais informação: Instagram | Facebook

MKRdezign

Fale com o Panorama Eco

Nome

E-mail *

Mensagem *

Imagens de tema por Nikada. Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget