2020

Livro celebra os 15 anos da organização não governamental Save Brasil, dedicada à proteção de espécies de aves que correm risco de desaparecer no Brasil

Aves brasileiras sob risco de extinção 'ressurgem' das cinzas em obra sobre conservação
Foto: ICMBio/Divulgação

O mito de que o Brasil seria o país do mundo que mais protege seus ambientes naturais só prospera graças à ignorância acerca do que já foi destruído.

Não é incomum, por exemplo, que pedaços minúsculos de mata atlântica nordestina abriguem dezenas de espécies ameaçadas de aves num só lugar, e situações quase tão complicadas afetam trechos do cerrado ou da caatinga. Por sorte, não há nada de inevitável em tais cenários: é perfeitamente possível impedir a derrocada de componentes únicos dos ecossistemas brasileiros.

Essa conclusão esperançosa é a principal mensagem de "15 Histórias de Conservação", livro que celebra os 15 anos de existência da organização não governamental Save Brasil, dedicada à proteção de espécies de aves que correm risco de desaparecer no país. Escrito pelos biólogos Pedro Develey e Jaqueline Goerck e pela jornalista Maura Campanili, o livro é tanto uma crônica do trabalho de pesquisadores e conservacionistas quanto uma introdução aos métodos e à lógica da proteção de espécies ameaçadas.

As aves são, por motivos óbvios (beleza da plumagem e do canto, facilidade de identificação, atratividade para turistas etc.), alvos privilegiados desse tipo de esforço em todos os lugares do mundo. O território brasileiro, além disso, é o segundo do mundo em riqueza de espécies do grupo (quase 2.000 registradas) e, infelizmente, o que abriga o maior número de aves em risco de extinção (no momento, 171 espécies).

A estratégia, portanto, é relativamente simples no papel: mapear geograficamente as aves ameaçadas e eleger o que se costuma chamar de "espécies-bandeiras"-bichos particularmente interessantes e carismáticos que podem funcionar como um tipo de guarda-chuva ecológico: protegendo o habitat deles, outras espécies relevantes e sob risco que o habitam também ficam protegidas, e todo mundo sai ganhando.

O trabalho da equipe da Save Brasil tem sido importante em ambos os aspectos, mas a coisa se torna especialmente complexa, exigindo a combinação das habilidades de pesquisa e conservação com sensibilidade cultural e boa dose de diplomacia, quando entra em cena a negociação para transformar áreas já muito degradadas e sob pressão econômica em reservas naturais.

Em alguns casos, a ONG e seus aliados chegaram a comprar propriedades rurais para transformá-las em RPPNs (Reservas Particulares do Patrimônio Natural), mas é muito difícil que esse tipo de abordagem resolva, sozinha, o problema de espécies de aves que precisam de áreas relativamente grandes para se deslocar, alimentar-se e formar uma população reprodutora viável, sem um excesso de cruzamentos consanguíneos, que podem afetar sua saúde a longo prazo.

É preciso, portanto, criar raízes em cada local, muitas vezes mostrando a comunidades pobres e relativamente isoladas que a presença de uma espécie ameaçada pode ser um trunfo econômico –por meio do turismo de observação de aves ou da produção agrícola com certificação ambiental, digamos– e uma maneira de garantir a qualidade do solo e do suprimento de água, dois tipos de patrimônio que só têm a ganhar quando há áreas saudáveis de floresta nas redondezas.

Exemplos de que isso é possível se multiplicaram no Nordeste, lar do acrobata (Acrobatornis fonsecai), descoberto apenas nos anos 1990 em matas úmidas do sul baiano e já ameaçado, e do gravatazeiro (Rhopornis ardesiacus), nativo de áreas mais secas, as matas de cipó do norte de Minas Gerais e regiões vizinhas da Bahia.

O acrobata, um parente do joão-de-barro, chamou a atenção por caçar insetos pendurado em galhos de ponta-cabeça e por viver nas cabrucas, plantações de cacau sombreadas pela mata nativa -o que permitiu que as iniciativas de conservação ajudassem na certificação do chocolate produzido na região.

Já a pequena cidade baiana de Boa Nova adotou o gravatazeiro, com suas elegantes listras brancas nas asas e olhos vermelhos, como motivo de orgulho municipal, diminuindo a caça e a retirada de lenha da mata e criando pousadas e restaurantes para os observadores de aves.

Mas talvez a história mais impressionante seja a de uma quase ressurreição. Depois de passar 75 anos sem ser vista, a rolinha-do-planalto (Columbina cyanopis), de olhos azuis e manchas de tonalidade semelhante nas asas cor de bronze, ressurgiu em 2015, em Botumirim (MG).

Registros anteriores da ave tinham sido feitos nos séculos 19 e 20 em Mato Grosso, São Paulo e Goiás, o que mostra como sua distribuição pode ter encolhido radicalmente. Calcula-se que restem menos de 30 indivíduos da espécie, número que deve ser melhorado em breve graças a um programa de reprodução em cativeiro.

A versão impressa do livro é enviada como brinde aos que se tornarem assinantes do plano Amigos da Save Brasil (custo mensal de R$ 10). Os interessados podem aderir ao plano acessando o site savebrasil.org.br

Fonte: O Tempo

Pesquisadores encontraram nas montanhas Tien Shan um complexo específico de rochas que se formou no Oceano Cambriano há cerca de 500 milhões de anos

A bucólica paisagem acima ocorre numa das áreas do arco insular descoberto pelos pesquisadores nas montanhas Tien Shan. Crédito: SPbU

O esforço de décadas de cientistas da Universidade de São Petersburgo (Rússia) no estudo da geologia da Ásia Central, muitas vezes em colaboração com cientistas de outras partes do mundo, tem rendido muitas descobertas relevantes. Um bom número delas se refere às peculiaridades de Tien Shan. Esse grande sistema de cordilheiras se espalha pela região fronteiriça entre Cazaquistão, Quirguistão e Xinjiang (China ocidental). O objetivo desses estudos é decifrar as estruturas do Cinturão Orogênico da Ásia Central, um dos maiores sistemas montanhosos antigos da Terra.

A floresta tropical de Mosquitia, na América Central, esconde não só um tesouro arqueológico, como também um rico ecossistema com centenas de espécies raras

A floresta tropical de Mosquitia, na América Central, esconde não só um tesouro arqueológicoOrlando Sierra/AFP/Getty Images

A selva de Mosquitia, que se estende do leste de Honduras ao extremo norte da Nicarágua, é uma das maiores florestas tropicais da América Central e — até recentemente — um dos lugares menos explorados do planeta.

Em 2013, arqueólogos descobriram as ruínas de uma antiga "cidade perdida" escondida em suas profundezas, a partir do uso da tecnologia de mapeamento a laser LIDAR (da sigla em inglês Light Detection and Ranging, ou seja, detecção e medição com luz).

Desde então, pesquisadores têm estudado esta floresta densa, não apenas à procura de mais vestígios da antiga cidade mesoamericana, mas em busca de vida selvagem em seu território intocado.

E o que descobriram recentemente foi melhor do que podiam imaginar: um rico ecossistema com centenas de espécies da fauna e da flora — algumas das quais acreditava-se estarem extintas.

Em 2017, uma equipe de biólogos — liderada pelo Programa de Avaliação Rápida da Conservação Internacional em parceria com o governo de Honduras — passou duas semanas na selva de Mosquitia.

A expedição era para pesquisar e catalogar as diversas espécies raras e ameaçadas de extinção que encontraram na bacia do Rio Plátano, que corre pela floresta.

Entre as descobertas feitas pela equipe, estão 22 espécies de plantas e animais nunca antes registradas em Honduras — e duas espécies da fauna que se pensava estarem extintas no país: o morcego Phylloderma stenops e a cobra Rhinobothryum bovallii, além do besouro-tigre, que tinha sido visto apenas na Nicarágua e era considerado extinto.

Acreditava-se que a cobra Rhinobothryum bovallii estava extinta em Honduras desde 1965 BBC

O besouro-tigre não tinha sido visto em nenhum outro lugar além da Nicaragua, onde não se encontra mais BBC

"O fato de termos encontrado o besouro-tigre na 'cidade perdida' sugere que este lugar é realmente 'saudável'", diz Trond Larsen, líder da expedição.

No total, os pesquisadores documentaram centenas de espécies de plantas, borboletas e mariposas, aves, anfíbios, répteis, peixes e mamíferos — destaque para uma grande presença de felinos, como onças, pumas, jaguatiricas, jaguarundis e gatos-maracajá — vivendo na floresta tropical.

"Alguns mamíferos grandes tendem a fugir assim que ouvem ou sentem o cheiro de gente perto. Mas os macacos-aranha-de-Geoffroy, espécie ameaçada de extinção, não eram nada tímidos", recorda Larsen.

"Havia grupos enormes deles nas árvores, balançando os galhos para a gente, curiosos em tentar descobrir o que estava acontecendo, por que todas aquelas pessoas estavam trabalhando ao redor deles."

Macaco-aranha-de-Geoffroy também deu o ar da graça na florestaGetty Images

Larsen lembra ainda o encontro que teve com um puma quando caminhava sozinho à noite pela floresta.

"Eu me virei e vi aqueles olhos grandes e brilhantes se movendo lentamente na minha direção, ele estava meio agachado e movia a cabeça para frente e para trás olhando para mim."

"Nós meio que olhamos para baixo, e então o puma se virou e desapareceu em meio à mata. Estava escuro como breu, e eu não fazia ideia de onde ele estava. Foi quando comecei a ficar um pouco nervoso", revela.

A equipe de pesquisadores passou duas semanas na mata catalogando as espécies BBC

A principal explicação para tamanha diversidade é que a área permaneceu praticamente intocada pelo homem por séculos, depois que os ancestrais das comunidades indígenas que hoje vivem na região abandonaram inexplicavelmente a antiga cidade que um dia existiu ali.

"Podia haver atividades não muito longe de onde estávamos trabalhando, mas nas imediações de onde estávamos, era praticamente intocado pelo homem", afirma o pesquisador.

Difícil acesso
A floresta de 350 mil hectares é coberta sobretudo por árvores densas de 25m a 35m de altura, com algumas chegando a atingir 50m — e, por isso, o acesso não é fácil.

Os pesquisadores tiveram que ser transportados de helicóptero até lá.

"A única forma de acesso aos locais que visitamos era de helicóptero, porque era longe de qualquer estrada ou qualquer tipo de acesso", explica.

Em solo, a folhagem da mata era tão densa que precisaram abrir caminho com facões.

E, por questão de segurança, Larsen conta que a equipe foi escoltada o tempo todo por soldados armados.

Ruínas da 'cidade perdida' descoberta por arqueólogos na florestaOrlando Sierra/AFP/Getty Images

A área também compreende a Reserva da Biosfera do Rio Plátano, a maior área protegida de Honduras — e Patrimônio Mundial da Unesco.

Além de abrigar toda essa vida selvagem, a selva de Mosquitia é essencial para o processo de captura dos gases causadores do efeito estufa da atmosfera.

No entanto, a região tem sido ameaçada pelo tráfico de animais e pelo desmatamento — 90% dos danos à floresta tropical são causados ​​pela pecuária ilegal, que também é fortemente impulsionada pelo tráfico de drogas na área.

Em um esforço para preservar a região, a floresta tropical agora está sendo parcialmente vigiada e patrulhada por militares hondurenhos.

Em 2018, o governo lançou um programa para proteger tanto a floresta quanto as ruínas da cidade antiga, que permaneceram intocadas e sem ser saqueadas por gerações — algo incomum para qualquer sítio arqueológico na América Central.

Fonte: BBC/R7

Estima-se que, ao longo de um ano, cada pessoa tenha ingerido algo entre 74 mil e 121 mil micropartículas de plástico

Cerveja: não há consenso sobre como as fibras plásticas têm afetado a vida humana (Jon Hicks/Getty Images)

Não há como escapar. Está no ar, no açúcar, no sal, na água de torneira, na cerveja gelada. A presença de micropartículas de plástico já faz parte do cotidiano de qualquer cidadão do mundo. Estima-se que, ao longo de um ano, cada pessoa tenha ingerido algo entre 74 mil e 121 mil partículas desse material.

Em agosto do ano passado, a Organização Mundial da Saúde divulgou o relatório Microplastics in drinking-water (Microplásticos na água potável), no qual analisa mais de 50 estudos sobre a presença de partículas e fibras plásticas em águas naturais, potáveis e de esgoto. O objetivo do relatório era avaliar os riscos à saúde.

Por enquanto, não há consenso sobre como esse material tem afetado a vida humana. Partículas acima de 150 micrômetros são facilmente excretadas pelo organismo e, assim, não representariam grande risco à saúde. O que se sabe é que temos consumido essas micropartículas por meio de ingestão e inalação. E comer plástico não parece a melhor das ideias.

Entre os dados consolidados pela organização Oceana estão resultados de uma pesquisa feita no ano passado por cientistas do Departamento de Biologia da Universidade de Victoria, no Canadá, que analisou as quantidades dessas partículas e diversos produtos e substâncias. A água engarrafada aparece no topo da lista daqueles que apresentaram maior presença de microplástico, seguida por cerveja, ar, água de torneira, frutos do mar, açúcar e sal.

Um estudo da Divisão de Gastroenterologia e Hepatologia da Universidade de Medicina de Viena, na Áustria, encontrou partículas de microplásticos em fezes humanas em indivíduos em oito países: Finlândia, Itália, Japão, Holanda, Polônia, Rússia, Reino Unido e Áustria.

“Todos eles tinham tido contato com comida embalada por plástico e seis haviam comido peixes e frutos do mar durante o período de observação do experimento. Cerca de 95% das fezes continham 20 partículas de microplástico a cada 10 gramas”, afirma o relatório.
Animais

Os dados sobre os prejuízos à vida marinha são bem mais visíveis. Entre 2015 e 2019, foram feitas 29.010 necropsias de aves, répteis e mamíferos marinhos encontrados nas praias das regiões Sul e Sudeste do Brasil.

Desse total, 3.725 animais, entre golfinhos, baleias, aves e répteis, tinham ingerido detritos plásticos. Treze por cento deles tiveram a morte diretamente associada ao consumo desses materiais.

A projeção é que existam, pelo menos, 5 trilhões de pedaços de plásticos nos mares. A maior parte desse material está dispersa e é formada por pedaços pequenos demais (até 1 milímetro) para ser coletados por limpezas de praia ou em alto-mar. O material leva centenas de anos para se decompor.

Fonte: Exame

Governo diz temer que mutação possa escapar da resposta imunológica produzida pelas vacinas em testes ou por uma infecção prévia


Desde o início da pandemia, uma espécie de animais se mostrou mais suscetível ao contágio e transmissão do Sars-Cov-2, o vírus causador da Covid-19: os visons, normalmente criados para extração da pele. Agora, a Dinamarca se viu com um problema grande, quando uma nova mutação do vírus ligada aos animais infectou 12 pessoas no norte do país.

Após a detecção da mutação, o governo dinamarquês se prepara para tomar medidas drásticas e abater toda a população de visons nas fazendas do país, estimada entre 15 milhões e 17 milhões, para tentar conter o problema. Foram detectados cinco animais com a nova mutação.

Mutações de vírus são uma parte natural de sua biologia, e não necessariamente representam um perigo maior ou menor para quem é infectado. No entanto, Mette Frederiksen, primeiro-ministro dinamarquês, diz que neste caso, as autoridades de saúde acreditam que a nova variação pode ter uma menor sensitividade aos anticorpos produzidos contra versões mais antigas do vírus, como relata a agência Reuters.

Na prática, isso significaria que uma pessoa que tenha sido infectada poderia estar mais suscetível a uma reinfecção. Isso também poderia atrapalhar os esforços globais para o desenvolvimento de uma vacina contra a Covid-19.

Até o momento, todas as mutações detectadas do Sars-Cov-2 não afetam especificamente a forma como o vírus interage com os anticorpos, já que não afetaram significativamente a proteína S (ou “spike”) utilizada para ligar-se aos receptores celulares e invadir as células e que são atacadas pela resposta imunológica do organismo. Recentemente, no entanto, foi detectada uma mutação na proteína, mas que também não parece ser especificamente na área atacada pelos anticorpos e não deve ser relevante o suficiente para atrasar uma vacina.

Independentemente da mutação, os visons têm se mostrado um problema no mundo inteiro pela sua suscetibilidade ao coronavírus, com surtos em fazendas relatados na Holanda, na Espanha, nos Estados Unidos e, agora, na Dinamarca, onde o Ministério da Saúde local já identificou que metade dos 783 casos de Covid-19 no norte do país são ligados ao animal.

Pesquisadores da Powdermill Nature Reserve em Rector, Pensilvânia, acharam este grosbeak de peito rosa que tem coloração masculina rosa e preta em uma metade de seu corpo e tons femininos amarelos e marrons do outro lado. Foto: ANNIE LINDSAY

O nome dele é Grosbeak e a diferenciação está em sua cor

Os pesquisadores encontraram o pássaro raro grosbeak na Pensilvânia.

Este grosbeak tem uma mancha no peito rosa e penas pretas apenas em sua asa direita – tons reveladores de machos.

Já no lado esquerdo, o pássaro canoro apresenta plumagem amarela e marrom, cores características das fêmeas.

Descoberta do pássaro
Quem achou esse exemplar raro foi a pesquisadora Annie Lindsay e seus colegas da Reserva Natural Powdermill.

Na verdade, um colega da equipe alertou a Lindsay sobre a descoberta do pássaro.

Então, ela soube imediatamente o que tinha encontrado: uma criatura metade macho, metade fêmea conhecida como ginandromorfo.

A descoberta já foi espetacular, mas poderia ser ainda melhor, porque este pássaro fica com a plumagem ainda mais bonita em seu período de reprodução.

Por exemplo, agora ele está em seu período não reprodutivo.

Mas na primavera da Pensilvânia a plumagem reprodutiva fica ainda mais masculina e feminina, com cores ainda mais vibrantes.

A linha entre o lado masculino e feminino ficará muito mais evidente, diz Lindsay.

Esses pássaros são realmente raros. A pesquisadora viu apenas um outro pássaro semelhante, mas menos impressionante. E isso foi há 15 anos.

Ginandromorfismo
Muitas espécies de pássaros apresentam o ginandromorfismo. Além de insetos e crustáceos, como caranguejos e lagostas.


Provavelmente, esta ave é o resultado de um evento incomum, quando dois espermatozóides fertilizam um óvulo com dois núcleos em vez de um.

Então, o ovo pode desenvolver cromossomos sexuais masculinos de um lado e cromossomos sexuais femininos de outro.

O pássaro tem um testículo e outras características masculinas em uma metade do corpo e um ovário e outras qualidades femininas na outra metade.

Porém, não confunda com hermafroditas, que também possuem órgãos genitais de ambos os sexos.

Os ginandromorfos são completamente masculinos de um lado do corpo e femininos de outro.

Dúvidas sobre a reprodução
Os cientistas ainda não sabem se essas aves se comportam mais como machos ou fêmeas ou se podem se reproduzir.

Entretanto, o biólogo da UCLA, Arthur Arnold, estudou um tentilhão-zebra ginandromorfo que usava uma canção e um comportamento masculino para atrair as fêmeas.


Logo, um sexo é mais dominante do que o outro em ginandromorfos? É preciso mais estudos para definir o comportamento relacionado ao sexo, diz ele.

Essa pesquisa é difícil, porque criaturas assim são muito raras.

Em 64 anos de anilhamento de pássaros, o Avian Research Center de Powdermill protocolou menos de 10 aves com essas características.

Lindsay e seus colegas, maravilhados com a descoberta, levaram o tordo-rosa para o laboratório e mediram a sua envergadura.

Também arrancaram quatro penas para pegar o seu DNA e estudá-lo, no futuro. Além da captura rápida, eles aproveitaram para marcar o pássaro.

Depois de tirar fotos e gravar vídeos para o TikTok com ele, a equipe deixou esse pássaro raro voar. Eles descreveram o impacto como ver um unicórnio, de tão notável.

Com informações fornecidas por Carnegie Museum of Natural History.


O ambientalista West Mathewson, de 68 anos, morreu na quinta-feira (27) após se atacado por duas leoas albinas. Ele cuidava das felinas desde filhotes. De acordo com testemunhas, West estava brincando de luta com Demi e Tanner quando uma delas levou a diversão a sério e o atacou. A outra leoa o atacou em seguida.

West chegou a ser levado a um hospital, mas não resistiu aos ferimentos. Em 2017, as felinas já haviam atacado um funcionário da fazenda do ambientalista em Kruger, na África do Sul. O homem também morreu, mas West manteve as leoas na fazenda e continuou cuidando delas, acreditando que elas nunca o atacariam.

Ao jornal The Sun, um porta-voz da fazenda afirmou que as leoas não serão sacrificadas. “West amava esses felinos como amava os seus filhos. Foi um trágico acidente”, afirmou.

Fonte: Isto é

Esta é a quinta edição do concurso Weather Photographer of the Year, que reúne as melhores fotografias mundiais do clima.


Marc Marco Ripoll - Sa Foradada Storm


Já são conhecidas as 26 fotografias finalistas do concurso Weather Photographer of the Year de 2020, organizado pela Royal Meteorological Society em conjunto com a AccuWeather.

Laura Hedien - Frosty Bison

Esta é a quinta edição de uma competição que pretende dar espaço às melhores fotografias do mundo na área da meteorologia, através de retratos do tempo num sentido abrangente. O concurso acontece anualmente, mas esta edição é especial: a Royal Meteorological Society comemora 170 anos de vida.

Rudolf Sulgan - Blizzard

Para Liz Bentley, chefe executiva da organização, a meteorologia é um "fascínio secreto que a maioria de nós tem" e esta é a "oportunidade perfeita para o partilhar com os outros", apontou em declarações à BBC.

Alexey Trofimov - Baikal Treasure

Grandes tempestades, neve a cobrir a paisagem ou o arco-íris a brilhar são algumas das imagens candidatas à vitória. Depois da selecção de um grupo de especialistas, a votação está aberta ao público em geral até 25 de Setembro.

Vu Trung Huan - Tea Hills

Alex Wides - Lavaredo’s Gloria

Richard Fox - Ridgeline Optics

Richard Fox - Pinnacles of Light

Mikhail Kapychka - Halo

Lori Grace Bailey - Predawn Thunderstorm over El Paso, Texas

Yuriy Stolypin - Steel Star

Adrian Campfield - Just Walking in the Rain

Šime Barešić - Cell with Rainbow

Boris Jordan - Mammatus Outbreak

Ivica Brlić - Winter Sunset

Francisco Javier Negroni Rodriguez - El Chaltén

Joann Randles - Under The Rainbow

Andrew McCaren - Dam Wet

Preston Stoll - Trees & Fog

Tori Jane Ostberg - The Red Terror

Hadi Dehghanpour - Small Tornado

Mikhail Shcheglov - Before a Storm

Maja Kraljik - Monster

Abdul Momin - A Thirsty Earth

Tina Wright - Final Stand


Madison - Dream

Fonte: rmets

Cientistas descobriram que tais organismos sobrevivem com uma energia cerca de 50 quintilhões (bilhões de bilhões) de vezes menor que a necessária à sobrevivência dos humanos

Cientistas de Londres fizeram uma descoberta que levanta questionamentos sobre o os limites da vida. Isso porque criaturas misteriosas que se escondem nas profundezas do fundo do mar sobrevivem com fluxos de energia inferiores aos anteriormente imaginados para sustentar a vida.

Para se colocar em perspectiva, esses organismos existem com uma energia cerca de 50 quintilhões (bilhões de bilhões) de vezes menor que a necessária à sobrevivência dos humanos - a qual é igual à potência necessária para acionar um ventilador de teto. O estudo feito por pesquisadores da Universidade Queen Mary foi publicado na Science Advances.

"De fato, acabamos de descobrir que certas formas de vida podem ser tão incrivelmente inativas que expandiram nossa concepção de como a vida na Terra e em outras partes do cosmos pode parecer", afirmou o cientista e principal autor do estudo, James Bradley.

Segundo ele, embora o fundo do mar seja um ambiente muito limitador de energia, contém uma grande quantidade de vida microbiana. "O número de células contidas em sedimentos submarinos globais é equivalente ao número de células em todos os solos da Terra ou em todo o oceano global da Terra", acrescentou.

Estudo de profundeza oceânica feito em 2014. Foto: Geoff Wheat and the National Deep Submerge Facility

Biosfera subterrânea
Os cientistas descobriram pela primeira vez a existência dessa profunda biosfera subterrânea décadas atrás, perfurando núcleos de regiões costeiras de oceanos em todo o mundo. Tais expedições revelaram que a vida, na forma de células microbianas intactas, chegou a nichos encontrados quilômetros abaixo da superfície marinha.

O modelo numérico usado pela equipe para calcular os níveis de energia para a sobrevivência das criaturas focou em como os ecossistemas digerem partículas de carbono orgânico - principalmente os restos de material morto - que submergem no fundo do mar.

"Temos boas evidências para acreditar que a oxidação do carbono orgânico, a queima dessa matéria orgânica, é a principal fonte de combustível para a vida no subsolo", explicou Bradley. "É um sistema isolado da luz e depende da entrada desse material orgânico que afunda no fundo do mar e, em seguida, de seu enterro e deposição eventual".

As descobertas da equipe cobrem sedimentos que datam de 2,6 milhões de anos, mas os cientistas esperam recuperar mais amostras que possam levar essa data para mais de 50 ou 100 milhões de anos.

Via: Vice

Gases emitidos pelo gado respondem por 50% do efeito estufa; pesquisador passou oito anos estudando as enzimas dos animais

Processo de ruminação e emissão de pum do gado responde por metade dos gases do efeito estufa (Tony C French/Exame)

Depois de oito anos de pesquisa, o cientista Mark van-Nieuwland, da multinacional holandesa DSM, de nutrição animal e humana, conseguiu criar uma molécula que diminui em 30% a emissão de gases das vacas e bois. O pesquisador passou um bom tempo testando algumas moléculas, naturalmente presentes no organismo do gado, que se ligam a enzimas que produzem a flatulência do gado.

Os 1,5 milhão de vacas e bois do planeta produzem, por dia, mais de 30 milhões de toneladas de dióxido de carbono, que correspondem à metade das emissões de gases de efeito estufa no mundo. “Cada vez mais os consumidores valorizam a carne que foi produzida com menos poluentes e não agride tanto o meio ambiente”, disse o cientista em entrevista.

Os estudos de van-Nieuwland começaram com as moléculas que se ligam a enzimas que só existem no gado e provocam a grande quantidade de puns que os animais produzem. Ele acreditou que haveria uma forma de diminuir o poder dessas enzimas. “Elas não só contribuem para a poluição do meio ambiente como tiram energia do rebanho, que gasta um bom tempo sofrendo com a flatulência”, diz. “Isso é algo que não é agradável nem para nós, seres humanos, nem para as vacas”.

Após uma longa série de testes em laboratório, van-Niewland chegou à conclusão que, ao unir duas moléculas que são importantes no processo de emissão de puns, seria possível reduzir a produção de gases. A partir daí, seguiram-se mais alguns anos de trabalho intenso. Finalmente, o cientista conseguir criar uma nova molécula. A substância exerce um papel importante no processo de desativação de algumas enzimas que são responsáveis pela produção de gases.

O processo continuará a ser aprimorado. “A ideia é que as vacas possam emitir até 70% menos de puns e ajudar ainda mais a diminuir o efeito estufa”, diz o cientista. A nova substância deverá ser acrescentada à ração dos animais. A empresa só aguarda a liberação do produto pela União Europeia e o Ministério da Agricultura no Brasil. “Até o início de 2021, todo esse trâmite deverá estar concluído”, diz van-Niewland. “Estamos caminhando para diminuir os gases do efeito estufa de forma inteligente”.

O lançamento deve chegar em um momento em que o agronegócio brasileiro dá saltos significativos de produtividade e vive o melhor ano de sua história, com excelentes resultados também nas exportações. A expectativa é que a atividade gere 728,6 bilhões de reais este ano, um crescimento de 2,5% em relação a 2019, enquanto outros setores da economia patinam na crise do coronavírus. O agronegócio deverá representar 24% do PIB brasileiro este ano.

“Novidades como a substância que reduz os gases das vacas deverão ser importantes para impulsionar ainda mais as vendas externas de carne do Brasil”, diz Maurício Adade, presidente da DSM para a América Latina.

Fonte: Exame

Fundação Cearense de Meteorologia diz que os impactos no Ceará devem ser fracos e que não há previsão para chegada.

Pessoas assistem ao pôr do sol enquanto uma nuvem de poeira do Saara paira no ar em Havana, em Cuba, na quarta-feira (24) — Foto: Ramon Espinosa/AP

A nuvem de poeira do deserto da Saara pode alterar a coloração do céu caso chegue ao Ceará, segundo a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). A nuvem 'Godzilla' é uma massa de ar seco e com poeira do deserto africano, que viaja 10 mil km para chegar à América.

A Funceme explica que os impactos no Ceará devem ser fracos, devido à localidade. Em Fortaleza, que está na 'periferia' da pluma, as consequências não devem ser intensas.

A mudança na cor do céu para tons mais alaranjados, causada pela barreira de visibilidade, pode ocorrer ao amanhecer ou no pôr do sol. A alteração de coloração é um impacto simples e também pode acontecer com outros tipos de nuvem, conforme a Funceme.

"O fenômeno é comum. A camada da 'nuvem de poeira Godzilla' geralmente tem entre três e cinco quilômetros de espessura e se encontra a uma altura de um a dois quilômetros na atmosfera", analisa e Funceme

Não há previsões sobre quando a poeira pode chegar no Ceará. Nas redes sociais, a Funceme tranquilizou os cearenses, informando que "resultados de modelos de previsão indicam que dançar um 'piseiro no mei do sertão' devem levantar mais poeira que a tal da Godzilla por aqui".



Um modelo digital da Sede da Região Leste do Serviço Meteorológico Nacional dos Estados Unidos, prevendo o avanço da poeira nos próximos 10 dias, indica que a nuvem deve se afastar do nordeste brasileiro e avançar para o sudeste norte-americano.




Fonte: G1

A bucha vegetal tem diversos usos, benefícios e é mais sustentável do que os modelos de plástico


A bucha vegetal, ou esponja vegetal, é uma fruta que nasce em uma planta trepadeira alta, pertencente ao gênero Luffa. A bucha vegetal é cultivada especialmente pelas fibras do fruto seco, que são usadas principalmente como esponja de banho, esponja de limpeza e até mesmo como palmilha.

Por ser uma fruta, a bucha vegetal é mais sustentável do que as esponjas de poliuretano (plástico derivado do petróleo), pois diferente do poliuretano, se biodegrada facilmente e pode ser reciclada em casa por meio da compostagem seca (a compostagem úmida, ou com minhocas, não é recomendada, pois o detergente ou sabão pode ser tóxico para as minhocas). Saiba mais sobre esse tema no Guia da compostagem.


A bucha vegetal é mais barata (se for comprada em feiras e mercados locais) e ainda rende mais, pois pode ser cortada em pedaços, apesar de durar o mesmo tempo da esponja sintética. Usando a bucha vegetal, você também incentiva os pequenos agricultores que produzem a planta e preserva o uso dos materiais plásticos para utilidades mais nobres do que ser matéria-prima para um objeto contaminante, de curtíssima vida útil. Além disso, a esponja vegetal apresenta benefícios para a saúde e estética da pele, cuidados com a louça e utensílios. Confira!

Benefícios da bucha vegetal
Esfoliação natural
A bucha vegetal é um ótimo esfoliante natural, ela ajuda a remover as impurezas, cravos, pelos encravados e células mortas da pele, proporcionando um aspecto mais limpo e revitalizador.

Ajuda na hidratação da pele seca
Quem possui pele seca pode realizar movimentos mais fortes com a bucha vegetal na pele para ajudar a estimular as glândulas sebáceas, que são fundamentais para a hidratação da pele.

Imagem: Luffa/bucha vegetal por Guilherme Jofili está licenciado sob (CC BY 2.0)

Celulite
Se utilizada durante o banho, a bucha vegetal pode ajudar a reduzir a aparência da celulite. Isso porque massagear a pele afetada pela celulite fazendo uma pressão leve ajuda a ativar a circulação local, o que reduz a aparência da celulite a curto prazo. O atrito da massagem com a bucha vegetal na pele também danifica as células de gordura (causadoras da celulite), o que faz com que elas precisem se reconstruir, possibilitando que a pele se realinhe e se distribua mais uniforme.

Louça
A bucha vegetal também proporciona benefícios para sua casa. Ela limpa as louças tão bem quanto a esponja sintética e tem a grande vantagem de não riscar a louça.

Caso você tenha problemas com aquelas crostas difíceis de sair, junte a bucha com a lã de aço, uma outra alternativa para a lavagem de louças, pois se trata de um material que se decompõe com mais facilidade ao oxidar-se, com danos menos significativos ao meio ambiente do que as esponjas sintéticas de poliuretano.


Amamentação
De acordo com Daniela Vieira de Lima, enfermeira obstetra do Hospital e Maternidade São Cristóvão, de São Paulo (SP), as mamas devem começar a ser preparadas durante o terceiro trimestre da gestação. Além de expor a aréola dos seios ao sol (antes das 10h ou depois das 16h), também é preciso massageá-las com a bucha vegetal para facilitar a pega do bebê.

Bucha vegetal na limpeza da casa
Melhor do que a esponja sintética e as palhas de aço, além de sustentável, a bucha vegetal não risca azulejos, utensílios, móveis de vidro e madeira.

Plante sua bucha vegetal
É possível cultivar sua bucha vegetal em casa! veja no vídeo a seguir:



Como amaciar bucha vegetal
Se você cultivá-la em sua casa, basta retirar a sua casca e sementes, deixar de molho na água morna por 30 minutos e deixar secar. Após isso, você estará pronto para utilizá-la sem peso na consciência!

Manutenção
Em pesquisa nos Laboratórios Clínicos de Microbiologia do Hospital Monte Sinai de Nova York (EUA), três médicos perceberam que deixar esponjas em ambiente úmido, como o dos nossos banheiros e cozinhas, causa a proliferação de bactérias, algumas até perigosas (do gênero presente em infecções hospitalares). Para os leitores com doenças ligadas à imunidade, como lúpus, anemia, hemofilia, diabetes ou que estão em períodos pós-cirurgia, vale prestar atenção.

Esponjas ainda não utilizadas, porém umedecidas, apresentam colônias esparsas de bactérias em forma de bacilos e estafilococos que, se não higienizadas, evoluem para uma flora de bactérias resistentes a antibióticos e às defesas do organismo humano. Mas calma, com a devida limpeza e cuidando da saúde, tudo isso pode ser evitado.

O principal é que você deixe a bucha vegetal secar completamente entre uma lavagem e outra, de preferência no sol, assim as bactérias não encontram um ambiente para se propagar. É importante também que a janela e a porta da cozinha fiquem sempre abertas - e se quiser um cuidado extra, lave sempre a bucha após uso.

Métodos de descontaminação não são mais recomendados. Colocar uma esponja no micro-ondas pode aumentar a quantidade de micro-organismos patogênicos. Saiba mais sobre esse tema na matéria: "É possível descontaminar a esponja de cozinha?".

Se a sua esponja estiver com uma cor diferente de quando você a comprou, ou com um cheiro esquisito, ou mais gelatinosa que áspera, então não há nada a fazer fora trocar - tudo isso é indício de uma cultura muito populosa de bactérias.

Fonte: ECycle

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Imagens de tema por Nikada. Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget